sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Não gosto desse.

Sono. Lento. Sonolento, me torno cada vez mais lento, meus olhos caem sobre meu corpo e minha vista embaça. Como poder de visão melhor, aperto-os, por alguns instantes posso enxergar normalmente. E logo, lá vão eles se deitarem novamente. Como se pedissem um beijo de boa noite antes de se deitarem e enfim dormirem, me torturam até que não sou mais capaz de mantê-los de pé. Um beijo e se deitam, se entregando a imensidão tranquila e escura que há dentro de mim.

3 comentários:

  1. Gostei bastante do seu "Ser Poeta"...
    É, realmente, hoje em dia tudo é aceito na poesia... até poemas sobre menstruação.
    bjs

    ResponderExcluir